Ryzen com desempenho fraco? A culpa é do Windows 10

8 de março de 2017 Comentário(s)
Ryzen com desempenho fraco? A culpa é do Windows 10
Shares 185

Os processadores AMD Ryzen já estão no mercado há alguns dias e não faltam testes comprovando a sua eficiência e até mesmo deficiência em alguns pontos.

Porém, essa deficiência pode não ser culpa do processador e sim de um bug do Windows 10 que não consegue gerenciar corretamente os núcleos e o sistema SMT (Simultaneous Multi Threading), causando desperdício de processamento.

Isso explica porque em vários games o desempenho aumenta se o SMT é desativado. Sem a função, o Windows 10 envia os comandos corretos para o processador.

Como funciona o SMT nos AMD Ryzen

O AMD Ryzen é o primeiro processador da empresa a utilizar o sistema SMT, ou seja, dois processos de cada vez, em cada núcleo.

Funciona da seguinte maneira: o primeiro thread é o principal, o segundo entra como um reforço extra para garantir mais potência em operações mais exigentes.

O primeiro thread executado recebe força total do processador, enquanto o segundo é uma espécie de ajudante que aproveita o resto de desempenho que, por algum motivo, não foi utilizado durante o primeiro.

É uma forma de utilizar totalmente o núcleo nos processos, ganhando desempenho e velocidade. Esse processo pode render 20% a 30% a mais de força para os processos.

O sistema é bem parecido com aquele utilizado nos processadores Intel e chamado de Hyper Threading (HT).

Como o Windows 10 utiliza esses recursos extras

Nem todos os threads são iguais para o Windows 10. Ele é o responsável por distribuir a carga de trabalho entre os núcleos e prioriza os primeiros threads disponíveis como mais importantes, deixando menos carga para os secundários.

Nos processadores Intel, o sistema reconhece perfeitamente os núcleos e threads para fazer a divisão das tarefas.

O problema com o Ryzen é que o agendador do Windows 10 não consegue identificar quais threads são principais e quais são os secundários na CPU.

Em vez de enxergar 8 núcleos físicos e 8 núcleos lógicos, ele interpreta o processador como tendo 16 núcleos físicos e distribui os processos “de maneira burra”, não distribuindo o trabalho de forma adequada.

Para piorar, o Windows 10 também não é capaz de identificar o cache do processador corretamente. O agendador do sistema enxerga até 136 MB de cache quando um Ryzen 7 possui apenas 20 MB somando L2+L3.

Exemplificando

Para entender melhor o processo, imagine a seguinte situação:

Existem 16 pessoas para realizar diferentes tarefas em uma cozinha. São 8 cozinheiros e 8 ajudantes. Enquanto os cozinheiros são capazes de realizar as tarefas complexas com mais destreza, os ajudantes dão conta apenas de tarefas mais simples.

Se todos eles recebem as mesmas tarefas, apenas metade vai conseguir dar conta do trabalho, enquanto a outra metade vai demorar muito mais.

Contudo, se cada cozinheiro tiver um ajudante designado e o trabalho for dividido proporcionalmente entre eles, as tarefas serão executadas de forma muito mais eficiente.

Como resolver

A parte mais difícil era descobrir o problema, agora que ele já foi identificado, basta esperar uma atualização do sistema por parte da Microsoft.

Certamente a AMD já está no pé da empresa para que isso seja definido o mais rápido possível, afinal de contas, cada dia que passa são possíveis vendas a menos para a AMD.

O curiosos disso tudo é que no Windows 7 esses problemas não existem, ou seja, se você estiver enfrentando a situação e precisar de todo o desempenho possível ainda hoje, talvez seja interessante voltar para o Windows 7 até que o Windows 10 seja atualizado.

Fonte(s): Wccftech

Notícias Relacionadas

Comentários

Entrei no mundo dos computadores em 1987. Fui redator e editor do TecMundo e do TecMundo Games e sou completamente apaixonado por games, tecnologia e negócios.