AMD explica porque Ryzen está ficando para trás nos testes com jogos

3 de março de 2017 Comentário(s)
AMD explica porque Ryzen está ficando para trás nos testes com jogos
Shares 64

Ontem (02) foi o grande lançamento dos processadores AMD Ryzen e o mundo todo pôde, finalmente, comprovar o seu poder de fogo.

Contudo, alguns resultados ficaram um pouco abaixo do esperado, principalmente nos jogos em 1080p, em que as CPUs Intel levaram a coroa.

O site PC Perspective entrou em contato com a AMD para tentar entender o que aconteceu e, de acordo com a empresa, o resultado é em parte culpa da própria AMD e em parte culpa dos estúdios.

A falta de produtos competitivos o suficiente por parte da AMD em muitos anos acabou fazendo com que a maioria dos estúdios otimizasse os seus games para os processadores Intel, resultando em um desempenho maior nessas plataformas.

AMD correndo atrás do prejuízo

Com o lançamento do Ryzen, a AMD já começou a correr atrás dos estúdios em busca de otimizações para seus processadores. Além da recente parceria com a Bethesda, a companhia também está fornecendo kits para que os desenvolvedores possam aproveitar melhor o que o Ryzen tem a oferecer.

Vários jogos já devem trazer updates nos próximos meses, e certamente os novos títulos já virão de fábrica com otimizações para os processadores Ryzen, principalmente depois do sucesso de crítica e pré-venda no mundo todo.

Ao oferecer soluções de CPU e GPU, a AMD tem uma facilidade que a Intel não possui, que é a de atacar nas duas frentes e conseguir otimizações mais eficientes para seus produtos.

Contudo, temos que considerar o seguinte: mesmo que os testes tenham mostrado ligeira desvantagem para o Ryzen em relação aos Intel Core, o resultado nem de longe é ruim.

A versão dos programadores

O pessoal que entende do assunto confirma a versão da AMD. O leitor Yuri Maia diz que já estudou os livros da Intel e a empresa realmente incentiva a otimização de aplicativos para seus produtos há bastante tempo:

“Sou programador e já li os livros/guias de programação da Intel, na época do Pentium 4, onde ela enviava pra casa da pessoa bastando preencher um formulário no site deles, o envio era gratuito e o livro era gigante.
Basicamente:
1- Lá demonstravam códigos que você implementava no seu programa (geralmente Assembly ou C++) e desse modo otimizá-lo para alguma tecnologia da Intel, por exemplo, o SSE3.
2- Uma vez o código corretamente implementado, aquele pedaço do programa rodava utilizando esta tecnologia específica e, com isso, tinha um salto em desempenho. Por exemplo, encodar 1 vídeo sem o código demorava 5 minutos, utilizando o SSE3 (através do código) usando o mesmo processador, levava 3 minutos”.

“O que ocorre é que como a AMD tá comendo poeira há anos, os estúdios só otimizam o código pra Intel, realmente ficaram preguiçosos. E a AMD está correndo atrás para que os jogos recebam updates OTIMIZANDO para AMD também. Eles parecem bem empenhados e tenho boas perspectivas que, em 3 a 6 meses, novos benchmarks demonstrarão um sensível ganho da AMD”

Fonte(s): PCPEr

Notícias Relacionadas

Comentários

Entrei no mundo dos computadores em 1987. Fui redator e editor do TecMundo e do TecMundo Games e sou completamente apaixonado por games, tecnologia e negócios.